sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Solução inconclusiva para uma amiga querida






Às vezes as coisas não saem como planejamos,
As águas se tornam mais turvas do que esperávamos
A visão, antes tão cheia de sonhos passa a ver apenas as ondas fortes que insistem em permanecer...
Os ventos fortes batendo contra os alicerces,
Nossas convicções sendo desfeitas
Nossos sonhos desfacelados
Pensamos em desistir
Pensamos em não nos mover
Pensamos que talvez o melhor a se fazer seja o se conformar
O deixar a vida seguir seu curso
Deixar "nas mãos de Deus", pois ele teria um plano para tal momento


E quando vemos, passaram-se 5, 6, 8 anos e não nos movemos...

O que faltou? Que motivação seria esta que deveria ter (dadas as circunstancias adversas) e não tenho?

Talvez sofri do "complexo de Atlas" e quis sustentar todas as coisas quando não conseguia sustentar nem a mim mesmo, e nesse processo me cansei mais que deveria, e as forças se foram. Logo agora que mais precisava delas...

Acaba que caímos no paradoxo do desejo de mudar, mas sem o desejo de agir, e acabamos nos frustrando duas vezes, tanto pelo primeiro quanto pelo segundo...

A quem culparemos? A mim? A situação? As condições materiais de existencia? A Deus? E se descobrimos que não há culpados que possam ser chamados ao tribunal?

O que faremos em vista destas coisas? A quem recorreremos?

O amanhã surge como um grande consolo e um grande desafio, afinal, se há a esperança do amanhã há a esperança da mudança. Falar que "só depende de nós" é talvez ser muito otimista em questões onde o otimismo se torna um mal e não um bem.

Concordo que várias coisas depende de nós, algumas nem tanto, mas no que depender apenas de nós, tentemos subjugar as adversidades e ver o amanhã como vazio que possibilita a construção do novo, mas sempre com a consciencia de que este novo pode não se realizar.

No final, o que valerá talvez será o salto para uma atitude diferente diante do mundo, diante da vida e talvez a partir deste salto algo em nós mude e poderemos finalmente nos mover em direção a alguma mudança...