quinta-feira, 5 de março de 2009

Não sei o que pensar.

Sempre as pessoas me perguntam: - Por que vc continua indo lá? Se a sua situação é tão conflituosa com a instituição por que vc ainda está lá?

Sempre respondo: Por causa das pessoas que estão lá. A maior parte dos meus amigos estão lá e por isso estou lá.

Daí me rebatem: Mas vc não precisa estar lá para manter sua amizade com eles.

A isso eu nao sei responder. Concordo com o rebate. Realmente isso é verdade.

Não me sinto preso à instituição de nenhuma maneira, meu relacionamento com ela há muito já se perdeu, e o que restou foi meramente a "crosta", foi simplesmente a casca da velha lagarta.. Não há mais acordo, e como diria o boiadeiro amós " como andarão dois juntos se não houver acordo?"

Acredito que talvez seja hora de não adarmos juntos. Talvez seja hora de divorciar da insituição, ser simplesmente mais um no meio das pessoas. Simplesmente divorciar.

Talvez vc objete falando: Mas pq não tentar a reconciliação? Pq não reaver os laços? Acredito que a primeira coisa que precisa haver para isso é confiança. E já foi mais que demonstrado que, por parte da liderança da instituição, não há confiança sobre meu trabalho, sobre minhas idéias. Todas elas são vistas como subversivas, vistas com um pé atrás. Sempre precisam de um espião para ver o que estou fazendo...

- Olha, toma cuidado com as idéias dele. Elas são perigosas! A verdade está do nosso lado, então "qualquer evangelho que pregue, que não o nosso, seja considerado anátema".

Para a tristeza daqueles que não detém o poder, a assimilação entre o que Paulo fala e a ortodoxia da igreja já está mais que firmada e estabelecida...

Qual a opção da instituição então? Ora, é considerar anátema, todo aquele que questiona, uma vez que, questionar, é trazer "ventos de doutrinas,", é trazer "vãs filosofias" que contaminarão a verdade que temos falado. Trazer novas idéias, é uma ameaça a algo que já está pronto. Ao invés de se abrir ao diálogo, as pessoas simplesmente são excluídas.

Quão triste posição essa assumida pela instituição igreja a que me refiro... Posição dogmática que não se abre para o futuro, simplesmente reproduz o passado que há muito perdeu o sentido. Em nome do dogma, que se vá as pessoas. Em nome desse "Deus", que se percam todos que discordem conosco...

Isso poderia me fazer sentir empenhado em mudar essa situação... Em ter esperança para agir em meio ao dogmatismo e perseverá propagando os ideais de liberdade do protestantismo. Falta-me apenas uma coisa: "Poder". como já dizia o humpt dumpt na história de Alice no país das maravilhas: "O problema é saber quem está no poder!", ou para sermos mais teológicos "Não adianta lutar contra quem é mais forte que vc"! (Eclesiastes)...

Mas a falta de poder abre caminho para a esperança, a ação abre caminho para a esperança, pq agimos temos esperança de que algo irá acontecer... e esperamos enquanto agimos, e isso é algo que ninguém pode nos tirar.

Temos que agir, mas a ação não implica em pertencer a instituição igreja, uma coisa não está ligada a outra...

Talvez seja hora de pensar a ação em outro lugar para a transformação do mundo em reino de Deus.