quarta-feira, 20 de abril de 2011

Uma certa vestibulanda





Ainda me lembro de você
Enquanto eu trabalhava, você ali pensava na vida.
Seus olhos vidrados no chão,
Olhos claros, cabelos loiros, blusa branca e all star
Pensando...

Divagando aparentemente sobre tantas coisas,
Olhos tristes, de quem a esperança já se foi
De quem o ano todo não valeu a pena
porque agora, quando mais precisa, todo conhecimento lhe escapou.

Resta-te apenas o olhar vago de quem pensa grandes coisas,
mas nenhuma delas agora te será útil.
O lápis não escreve nada, a borracha virou brinquedo em suas mãos...

Enquanto observa o piso e pensa
Te observo.

Você tão bonita, tão nova ainda, e tendo que fazer uma decisão desta
Decisão que ainda acredita que durará a vida inteira
Decisão que ainda acredita ser sem volta

Se ao menos você soubesse que tal decisão não é pra vida inteira
Que sempre há chance de mudar
Que a vida lhe aparece aberta em todos os sentidos
Que a precariedade dela se mostra cada vez que tomamos uma decisão...

Ah se você soubesse disso tudo,
Talvez sua cara fechada se abriria em sorriso,
E ao invés dos pensamentos lhe inspirarem o choro
Eles inspirariam o riso de alguém que compreendeu o grande jogo que sempre jogamos na vida

A prova acabou,
A aluna se foi,
E eu fiquei pensando...

Tal fato aconteceu enquanto aplicava uma prova de vestibular no ano passado.