segunda-feira, 16 de abril de 2012

Sobre a Bíblia

Quando vejo uma imagem como esta a várias coisas passam pela minha cabeça. Desde o mau uso da imagem, como ao mesmo tempo a indiscutível frivolidade da nova espiritualidade pós-moderna.

Curiosamente, vemos constantemente posts no facebook sobre a bíblia, sobre o fato de Deus nos amar acima de todas as coisas, o fato do fulano de tal amar a Deus sobre todas as coisas, mensagens de "Jesus te ama" a todo o momento, o que nos leva a pensar o quanto a imagem de Deus, e ao mesmo tempo a idéia de Deus perpassa no imaginário das pessoas.

Curiosamente, mesmo permeada por todos os cantos com falas, hinos, preleções sobre Deus, a sociedade pós-moderna em sua maioria pensa muito pouco sobre Deus. Cada vez mais vemos como que a profecia de Bonhoeffer se cumpre em nossos dias. Deus se transformou em "muleta psicológica" a quem se clama quando as coisas não estão bem, quando se quer ir bem em uma prova, ou tem alguém doente, uma espécie de gênio da lâmpada a quem é só pedir que ele está pronto para atender os desejos.

Dificilmente encontraremos alguém que consiga pensar a idéia de Deus afastado da idéia de pai, afastada de uma idéia metafísica ou algo para além da tradição ortodoxa. Dificilmente encontraremos alguém dentre os milhares de posts no facebook que consiga explicar sistematicamente alguma das doutrinas fundamentais da fé crista, tais como redenção, salvação, sacramento, dentre outras questões do gênero.

Ao invés de uma tentativa de fundamentação da fé, sucumbe-se ao discurso neo-pentecostal de uma "experiência com Deus" que seria mais que suficiente para resolver todos os problemas da vida do indivíduo. É evidente que a "experiência de Deus" é importante para todo aquele que crer em Deus, afinal se crer sempre no Deus que é experienciado pelo sujeito, no entanto, a "experiência de Deus" sempre devolve o homem para o mundo da vida e não encerra o homem em um êxtase sem sentido de onde ele sai o mesmo, sem fazer diferença pra ninguém.

Vemos isso na experiência de Jesus com o Gadareno descrito em Marcos 5, que depois de liberto insiste pra ficar com o Cristo, mas é enviado de volta ao seu povo, da mesma forma a experiência da transfiguração (Mt 7: 1-8, Mc 9: 2-8, Lc 9: 28-36) em que Pedro no afã do momento quer permanecer por lá, armar tendas, esquecer do mundo, mas é interrompido e levado de volta ao povo.

Ao colocar a bíblia como uma arma de fogo o que se vê é ao mesmo tempo uma enorme ignorância do que a Bíblia seria e ao mesmo tempo permite uma apologia a violência e a intolerância digna de repudio. Afirmar que a bíblia é uma arma que resolveria todos os problemas pela simples utilização da mesma chega a ser vergonhoso. A dinâmica da imagem remete aquilo que os cristãos deveriam combater e não legitimar.

Volta-se ao princípio das cruzadas, onde todo aquele que não crê como os cristãos devem ser mortos ou aniquilados pela palavra, como se ela fosse uma espécie de manual que deve ser seguido independente da cultura. A visão clássica que se tem da bíblia é de que ela é a palavra de Deus e por isso o texto revelado deve ser seguido, pois esta seria a vontade de Deus para todo homem. Eu não creio assim. Creio que o texto bíblico é um texto escrito por homens que almejavam dizer quem era o Deus que eles acreditavam ser o verdadeiro Deus. Mas este relato é incompleto, culturalmente determinado, visto de apenas um ponto de vista. O Deus da bíblia é o Deus dos homens da Bíblia, é o Deus visto por quem escreve.

Da mesma forma que se produziu a Bíblia, se produziu o Alcorão, os Vedas, os Upanishads, o bagavad gita, todos eles produzidos por homens que tentavam expressar suas experiências com o seu Deus, o que eles acreditavam que "criou os céus e a terra", "estabeleceu os fundamentos", "fundamentou a vida". São homens tentando entregar o que eles receberam.

A proposta de Karl Rahner do existencial fundamental se coloca aqui de forma muito contundente. Rahner coloca que aquilo que Feuerbach diz ser objetivação humana, só o é porque Deus colocou esse anseio no homem. No entanto, este "anseio por Deus" deve ser entendido não como algo fechado, exclusivo de um povo, mas como uma abertura para o sentido da existência que permeia o homem.

Deus então não é visto como um ser para além de nós que está pronto a nos atender numa relação infantil entre pai e filho, mas é visto agora como sentido, abertura para uma existência autentica. A Bíblia compreendida como essa tentativa humana de dizer Deus nunca pode ser uma arma que deve ser apontada em direção a quem não crê nela, mas deve ser vista como um diário de homens que procuraram dizer aquilo que eles experienciaram de forma autentica.

O canto do salmista "Oh Deus, tu és o meu Deus" (Sl 63:1) talvez deva ser entoado, mas agora com a consciência de que Deus é sempre o meu Deus, o Deus como o vejo, o Deus como fui ensinado culturalmente e não o único Deus. Há tantos deuses quantas culturas, e sobre eles não recai o conceito de verdadeiro ou falso, mas recai o conceito de esperança ou desesperança, sentido ou anomia.

Se compreendemos a Bíblia como uma tentativa humana de revelar o Deus acreditado por estes homens que escreveram o livro, isso é capaz de nos colocarmos diante desse Deus revelado de forma adulta, i.e, de forma a possibilitar que esse Deus não seja simplesmente uma "muleta psicológica", mas seja visto como um sentido que os homens buscam, e ver que Ele se revela a partir dos próprios homens.

A via não seria de mão única como quer a ortodoxia por um lado ( o texto revelado por Deus e ditado aos homens) e Feuerbach por outro ( O texto como produção humana, e Deus como objetivação de uma essência humana), mas seria uma via de mão dupla, onde o que o homem revela no livro é uma tentativa de expressar algo que estaria para além dele, existente ou não. O homem tentando encontrar um sentido e um sentido se apresentando ao homem a partir da vivencia de outros homens.