quinta-feira, 26 de abril de 2012

Sobre opressão no trabalho

 
 Pensando outro dia sobre algumas relações de trabalho me veio a mente algumas considerações que transcrevo.
Muito curioso como a ética do "dever ser" sempre recai sobre o proletariado nas relações de trabalho. O proletariado "deve ser" comprometido com o trabalho "deve ser" zeloso por isso e por aquilo, mas esta responsabilidade e este cuidado nunca recai sobre quem está na "direção" do departamento ou repartição. Sobre estes o "deve ser" perde seu caráter de "moralidade" e passa a ser apenas "instrução" ou "sugestão" do como seria bom se fosse dessa forma. O que isso gera? No pior dos casos, apenas a insatisfação do proletariado; no melhor dos casos uma revolta do proletariado para que esta situação mude. O porque da recorrencia da primeira e não da segunda proposta pode estar no fato do próprio desinteresse do funcionário quanto ao melhoramento de sua condição no local de trabalho. 
Como o trabalho aparece a esse indivíduo como algo estranho a ele, por que se preocupar com as constantes restrições à sua liberdade? A questão que parece urgir e que geralmente não é colocada é o porque ele não se preocupa mais nem mesmo com a restrição de sua liberdade? A sua condição já está tão desumanizada que nem mesmo a supressão da liberdade de expressão, de ir e vir, de se vestir é visto como problema. 
Sobre este indivíduo tão desumanizado pelas relações opressivas de trabalho não tem como haver uma "cobrança moral", afinal, a moralidade é uma característica humana, e até onde sabemos, apenas os homens são capazes de uma atitude moral dada a racionalidade que lhe é inerente. Aplicar a ética do "dever ser" sobre este ser tão desumanizado é a mesma coisa de exigir de um macaco um comprometimento com sua jaula em um zoológico. Obviamente não haverá tal comprometimento, no primeiro momento que ele tiver a oportunidade de sair de lá, ele sairá. 
Ao mesmo tempo que há uma insatisfação por parte do funcionário há uma assimilação do discurso opressivo como se fosse um discurso próprio. É comum vermos o funcionário assimilando práticas opressivas e corroborando tais práticas fazendo cobranças que ele não deveria fazer se tivesse ciência desta dinamica opressiva. 
A dinamica se dá mais ou menos da seguinte forma: A chefia solta uma ordem opressiva, sem sentido. O proletariado acata esta ordem sem questionamento, (afinal, não se interessa por aquilo que faz, não se vê como parte da instituição) esta ordem é assimilada pelo proletariado como sendo uma ordem sua que passa a ele mesmo exigir dos outros que a ordem opressiva seja obedecida por todos. Nesta dinamica, ao invés de lutar contra a ordem, ele se mostra um disseminador da mesma.
Outro fato problemático é que a própria chefia não se vê também participante dessa mesma dinamica opressiva e passa a oprimir os subordinados com a opressão que a assola. O suposto poder conferido lhe aparece como possibilidade de "decisão" que o engana ao ponto de achar que ele detém o poder quando na verdade não passa de joguete nas mãos dos superiores. A dinamica opressiva vai tanto em via ascendente (tendendo a diminuir nos maiores níveis hierárquicos a ponto de várias vezes aparecer como "sugestão" ou "instrução") e em via descendente (tendendo a aumentar nos níveis mais baixos), no entanto todos acabam sendo oprimidos de uma forma maior ou menor. A chefia então executa a mesma dinamica descrita acima. É comum ouvirmos discursos vindos do chefe que dizem "eu só cobro de voces porque sou cobrado também."
E quem é o grande opressor? A partir de Marx e eu tendo a concordar, o grande opressor é o sistema capitalista que exige este tipo de opressão para que a máquina funcione.  A empresa (local onde o individuo trabalha) acaba exigindo no micro o que o sistema como um todo exige no macro.  Sob seu domínio se encontram todos estes indivíduos citados acima. Claro que a relação entre o sistema capitalista e a opressão é algo que não dá pra explicar aqui, mas fica o apontamento desta relação. 
O que fazer para que o círculo opressivo se quebre? A meu ver é preciso haver um esclarecimento tanto por parte do "proletariado" quanto por parte da "chefia" da dinamica opressiva perpetuada em suas práticas. Depois do esclarecimento é preciso haver uma luta para que esta situação mude, para que as relações sejam mais humanas e humanizadoras, uma mudança não apenas material, mas estrutural. A tendencia a encarar a mudança apenas de forma material ( a partir de melhora de salário, condições de trabalho melhor, etc) acaba por perpetuar a mesma condição desumanizadora só que agora colocando "flores sobre as correntes" . Daí a necessidade de uma mudança estrutural, não apeans material. A partir desse momento talvez seja possível falar novamente em homens trabalhando, uma vez que o trabalho não será mais feito apenas pela via opressiva, mas será expressão do homem que age em liberdade.