terça-feira, 3 de julho de 2012

Teologia da prosperidade e Espiritismo - Tentativa de uma sociologia da religião





 "Acho bastante estranho o interesse midiático atual pela doutrina espírita...Gostaria de saber quais as razões desse fenômeno novo." (pergunta me feita via facebook)

"Conforme novo censo do IBGE, o Brasil com 3,8 milhões de espíritas é o país mais espírita do mundo" (retirado do site da IHU )



Religião e mídia sempre caminharam juntas desde que a mídia é mídia. Qualquer evento religioso que é coberto pela mídia é motivo de comentários de todos os lados, uns para criticar e exigir (mesmo que colocando de forma estranha a questão) o estado laico, outros vendo como "mover de Deus" o fato da religião (e neste caso, a evangélica) estar ganhando espaço em um terreno que antes não tinha tanto espaço assim. 

Curiosamente, o meio evangelico tem ganhado espaço midiático principalmente na rede globo que tem todo um histórico de ser "contra" os evangélicos e fazia questão de ridiculariza-los em várias novelas, mas atualmente promove shows com cantores evangélicos e os patrocina em vários casos, nao me estranharia se dentro em breve a globo tivesse um programa evangelico nas madrugadas como a band, record, etc. Acredito que no caso especifico da mídia a questão seja meramente economica. Obviamente se perdia uma enorme fatia do mercado fonográfico e audiovisual ao deixar de lado a "religião que mais cresce no Brasil". Tal fatia do mercado tem que ser contemplada para que gere mais capital. E aqui vemos como que a questão religiosa é usada pelos interesses do capital.

Em relação ao espiritisimo, a globo sempre enfatizou a doutrina espirita em várias novelas, tipo "a viagem", "renascer", e tantas outras.. corria-se o boato de que tal enfoque espírita seria porque a família Marinho era espírita e por isso via nas novelas uma forma de propagar a doutrina espírita, o que no caso da globo, fazia isso ridicularizando as outras religiões em várias ocasiões. 

O fenomeno desse novo "boom espiritualista" (e aqui estaria no mesmo bojo o espiritismo e o meio evangélico)  pode ser remetido, a meu ver, ao período pós-guerra e o nascer do existencialismo. Como a ciencia com seus ideias positivista não foi capaz de "resolver" os problemas mais urgentes do ser humano, o vazio que a ciencia preencheria voltou a clamar por preenchimento, nessa esteira vemos o "renascer" de uma espiritualidade um tanto fragilizada (pois surge de uma tentativa de resposta imediata a um problema que não aceita tal tipo de resposta"), tanto que é nesta precisa época que surge o movimento neo-pentecostal em meados dos anos 70 como tentativa de lidar com essa "carencia" gerada por esse não-lugar. 

Claro que a forma como isto foi feito não foi a melhor e isso vemos até hoje. A forma "imediatista" de lidar com o problema gera uma teologia também imediatista que em nada resolve a questão, e aqui falo da teologia da prosperidade com toda a sua "gangue" de defensores. Vemos um "perpetuar" de uma espiritualidade vazia, um sincretismo que procura "aganrinhar" todo tipo de pessoa a partir da assimilação das várias religiões brasileiras, afros e etc. Talvez daí podemos perceber também um ressurgimento da busca pelas culturas afrodescendentes tais como o candomblé, umbanda, etc. Afinal, venhamos e convenhamos que se for pra tomar um banho de arruda é melhor que se tome no centro de umbanda que dentro de uma campanha da IURD. Pra que procuraremos na cópia o que se pode ter acesso no original? 

Claro que esta questão tem vários outros panoramas possíveis, mas acredito que no caso específico do meio protestante a coisa tenha caminhado por aí, e no caso do espiritismo a coisa teria a sua raiz também nesse espaço vazio deixado pela ciencia, só que no caso específico do espiritismo (onde a ciencia tem um papel maior) houve uma tentativa de se ligar a uma espiritualidade, mas sem se desvencilhar dos ideias positivistas da época de Augusto Comte e Alan Kardec, este a meu ver aliou um platonismo/órfismo a um positivismo e com isso surgiu o espiritismo que tem a grande vantagem de oferecer ao "homo cientificus" um contato com a espiritualidade sem abrir mão da "empiricidade".

Claro que o ideal espírita desta "empiricidade" é fonte de vários questionamentos e isso desde o início do século XX quando se tentava "provar" a existencia o Ectoplasma. Após a análise de Wittgenstein que propõe uma "separação" entre o discurso científico e do religioso tal foco espírita do início do século XX soa um pouco estranho a nós, embora a doutrina espírita no campo da práxis se mostra muito atuante ainda hoje em dia. Claro que há uma preocupação legítima por parte do espiritismo em continuar "dando razões da fé" que professam e isso a meu ver é muito vantajoso, agora no caso de uma "religião cientfíca" como pretendia Kardec, isso eu acho um pouco complicado de acontecer, afinal, como já nos mostrou Wittgenstein os campos e os discursos falam de coisas diferentes, e a experiencia religiosa não seria capaz de ser colocada em palavras e "sobre o que não se pode falar, sobre isso, deve-se calar" como diria o filósofo no final do Tractatus. 


Vemos que a teologia da prosperidade e em parte o espiritismo visam preencher a lacuna deixada pelo discurso científico em um mundo pós-guerra. Pelo lado evangélico vemos este lidar de uma forma muito estranha e pouco profícua que acaba culminando em uma teologia da prosperidade com suas "respostas imediatas", mas que não respondem à pergunta geradora da atual crise da espiritualidade. Do lado do espiritismo vemos a mesma tentativa evangélica, no entanto focando em um "conciliar" entre religião e ciencia na sede de encontrar uma "religião-científica" que responda às necessidades do "homo científicus", no entanto sem dar conta de tal empreitada. 


A pergunta pelo sentido da vida, do mundo, continua e cada dia mais a religião precisa ser repensada para que possa continuar tendo significado no mundo pós-moderno.