quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Visões sobre um fato



Ele


O que você fez com os pedaços de mim que recebeu ?
Provavelmente os trancou em alguma gaveta e nunca mais olhará para eles
Talvez não tenha percebido o que estava envolvido
Talvez tenha achado que tudo não passava de êxtase diante do novo.

Duvido que tenha lido novamente as linhas, e muito menos as entrelinhas de tudo que ali estava
Duvido que tenha tido o olhar atento para contemplar sobre o que aquilo tratava.
Duvido que para além do escrito tenha visto o convite que estava ali
Duvido que para além do físico tenha visto o que de "metafísico" estava ali.

Mas ainda creio que verá
Ainda creio que entenderá
Depois, quem sabe, poderemos compartilhar

Queira Deus haja tempo !

Depois disso ele se despediu.

Ela, no entanto, continuou sem entender
mas decidiu, e pegou as linhas para ler.
Quão surpresa ela ficou ao perceber o que até então não tinha percebido, que saiu.
O procurou mas não o encontrou mais.
Ficou triste, mas não demonstrou a ninguém

Ele, que sempre a via sem ser visto ou notado, desistiu.
Ela, que antes nunca o via como deveria
Passou a enxergá-lo depois que o deixou de ver, e sentiu saudades.

Ela

O que você não notou depois de todas as coisas que te disse?
Por que não conseguiu ver todas as pistas que te dei?
Ah se compreendesse que nem sempre sou como espera que eu seja

Você me achava triste, distante, cabisbaixa
sem no entanto notar o motivo de tudo isso.
Por que você não leu as entrelinhas que constantemente te escrevia?
Não as escrevia em palavras, e talvez compreendo que por isso não tenha entendido
Talvez eu deveria ter sido mais clara.

Li suas linhas e entrelinhas
Só não fiz o que esperava que eu fizesse na situação
Percebi o convite, apenas não sabia como aceitá-lo
Aceitei-o do meu jeito, infelizmente vc não compreendeu.

Também duvido que alguma vez você realmente tenha me compreendido
Duvido também que conseguiria conviver comigo e meu mundo sem palavras
Duvido que teria ouvidos para ouvir o inaudível aos ouvidos comuns
Duvido que compreenderia meus gritos mudos.


Pena que agora tudo se foi,
Pena que não conseguimos conviver e por isso deixo você ir
Quem sabe algum de nós dois um dia verá o que ainda não vimos
E então conseguiremos nos compreender...

Queira Deus haja tempo !

Ela depois disso abriu a porta, e ele se foi

Ele, que antes a via como estranha, começou a compreender o silêncio
Ela, que falava sem palavras, passou a falar as palavras, mas sem dizer nada
Ele, depois de a ter compreendido, passou a querer sua companhia
Ela, simplesmente o deixou ir em paz.

E cada um seguiu seu rumo,
tendo a dúvida como única companheira.