terça-feira, 4 de maio de 2010

Um definhar de uma flor...





É, nem sempre as coisas acontecem como a gente espera.


Nem sempre as flores são colhidas a tempo, as vezes elas murcham e caem sem nunca termos sentido seu perfume, sem nunca poderem ter aflorado, embelezado nossos campos com suas pétalas coloridas e seus caules finos.


As vezes elas simplesmente murcham e caem.


E o que sobra delas ? Nada a não ser a memória. Mas a memória é memória de algo que não mais existe, memória que recairá sobre o vazio, sobre o nada.

Talvez lembramos apenas de nós. Lembrávamos das sensações que tínhamos enquanto esperávamos que ela florescesse.


Triste flor tão jovem que não teve a chance de expelir seu perfume.


Mas será que ela não expeliu, ou ninguém prestava atenção nela enquanto morria?


Os dias passavam e cada dia a flor ia definhando, ia se recolhendo, mas parece que ninguém percebia, parece que ninguém se importava com ela.


A flor, no entanto, não se exprimia também, apenas passava triste todos os dias, as vezes com alguns momentos de olhar para o sol, mas quase sempre com o rosto virado para a terra. Buscava em algumas palavras um conforto para sua situação, mas parece que tais adubos não estavam dando resultados.


No entanto, enquanto achava que tudo estava bem, que ninguém a notava, aparece alguém que resolve se importar com sua situação, limpar a terra ao seu redor, adubar seu terreno com palavras de esperança, fazer companhia para que ela não se sentisse sozinha.


Mas a flor não quis tal ajuda. Afinal, ela não tinha sido acostumada com isso, o excesso de cuidado a assustava, ela preferia a solidão, o olhar para o chão do que tentar contemplar a beleza das árvores e pássaros ao seu redor.


Esse alguém, infelizmente nada podia fazer, a não ser ver tristemente a flor murchar.


Ah... doce flor que tinha tudo para ser tão feliz, mas preferiu murchar diante de um ambiente tão hostil. Talvez ela poderia ser a beleza do lugar inóspito, talvez ela poderia ser o brilho, e com seu perfume alegrar o dia de quem por ali passaria.


Ah triste momento daquela flor... Espero que ela não murche e caia.


Espero que ela olhe ao redor e contemple os alguéns que com ela se importam, e que seu perfume seja exalado, pois eu sei que seu perfume é um bom perfume. E como sei ? Talvez o tenha sentido enquanto ela ainda não estava murchando.