quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Diante da fadiga





Diante do caos que assola o homem, o que pode ele fazer exceto esperar?
O que lhe é dado como alternativa diante daquilo que não se tem controle?

Quando há uma esperança de algo, que seja apenas uma mero fio de luz no fim do túnel, ainda cabe a ele almejar algo que se concretizará, mas quando tudo some, quando aparentemente todas as portas fecham, tudo parece desvanecer em um labirinto sem fim.
Como quem cai infinitamente, da mesma forma as esperanças vão se ruindo uma a uma. Os planos antes tão firmes se desvalecem como quem não tem mais onde ancorar. Como em um túnel escuro onde só se dá voltas e mais voltas com o passar do tempo sem nunca sair dele, assim caminha esse homem que não vê perspectiva de mudança.

- "Você deve acreditar em Deus, confiar que Ele sabe o tempo de todas as coisas" - Dizem várias vezes os mais confiantes. Como bons estóicos que acreditavam que tudo estava nas mãos de uma razão universal e o melhor que fazemos seria submetermos a ela. Não que estejam errados, no entanto isso também não conforta, não resolve o problema dos que habitam o labiritno do qual não vêem saída.

Talvez seria mais fácil fingir que os problemas não são tão problemas assim. Fingir que faço o que é certo, fingir que acredito nesse avanço que todos afirmam esteja acontecendo. Tudo seria tão mais fácil. Mas feliz ou infelizmente não é assim. O poço escuro continua sendo o destino aparente de todos os que perdem a esperança nas coisas. O cansaço assola, a falta de esperança sobressai, a mente não pára, mas tudo infrutífero, nenhum pensamento conduz a um bom caminho, apenas a espera infindável diante de um futuro incerto.

E nesse cansaço infinito o homem caminha. Perto de todos, longe de todos. Ninguém vê que este homem enquanto sorri sofre esperando tal futuro incerto. Afinal, o mundo não pára, as necessidades economicas, sentimentais, espirituais continuam urgindo e ele nada consegue fazer para acalmar os demônios alheios nem mesmo os seus próprios. O que resta a ele senão continuar caminhando no caminho sem sentido que sua vida tomou? Tentar resolver os problemas na medida em que vão aparecendo? Viver como se a vida fosse só isso? O que resta a ele se não isso?

- Mas caminha para onde?
- Quer o quê ?

Em meio ao cansaço até as perguntas básicas não encontram respostas e resta só a escuridão de quem cai indefinidamente.