sexta-feira, 15 de maio de 2009

idéias para um culto





Idéias para um culto

Ontem estava falando com o pato, (Um amigo meu) durante um culto na igreja onde vamos de vez em quando.

- Ah como seria bom, se ao invés dessas músicas que cantamos, com tantas palavras, com tantas heresias, sem sentido a grande maioria delas, se ao invés disso, durante o louvor colocássemos um cd de Bach, ou Verdi, Vivaldi, ficássemos quietos, ouvíssemos a suave melodia e adoraríamos em silencio.

Sem falatórios inúteis, sem canções que não dizem nada. Ouviríamos a melodia, Deus falaria conosco e responderíamos a Ele da forma mais sincera que podemos fazer: Com nosso silêncio. Deixaríamos os gemidos inexprimíveis do Espírito falar por nós.

O Rubem Alves já falava que o silêncio nos incomoda. Falamos sempre palavras contra palavras pra não ficarmos em silencio. No silencio encontramos conosco apenas, e isso às vezes nos incomoda. Preferimos falar, preferimos a atividade, as várias melodias, as várias palavras eloqüentes, as orações intermináveis, preferimos isso a encontrarmos conosco no silencio, ou a encontrarmos Deus no silencio. Não digo algo novo, Agostinho já o disse antes de mim. Está lá nas confissões no livro X. (VII , 23) “Os homens vão admirar os cumes das montanhas, as ondas do mar, as largas correntes dos rios, o oceano, o movimento dos astros, e deixam de lado a si mesmos...”

O ativismo é mais fácil, do que ficar em silencio. O redemoinho é mais chamativo que a brisa suave onde Deus se encontra.

Mesmo em Elias, Deus se revelando no meio da brisa suave que traz consigo o silencio, ainda o procuramos em meio aos redemoinhos das palavras.

- Ele me retrucou : É cara, e depois disso, poderia ir alguém lá na frente, lê uma poesia que nos falasse do amor de um pelo outro, do amor do amado pela amada, do pai para o filho, da mãe para com a filha, enfim, algo que nos trouxesse de volta aquilo que entendemos ser a essência do que Cristo nos falou; O amor. Novamente ouviríamos a voz de Deus que falaria conosco por meio de outra brisa suave que traria refrigério para nossas almas.

Depois disso, o leitor da poesia simplesmente falaria :

- Vão em paz e que Deus os abençoe !!!!!