quinta-feira, 8 de outubro de 2009

antigo... Mas a idéia continua.








Como é bom receber notícias suas.
Como é bom saber que está bem.
Não sei porque, mas isso me faz feliz.
Saber que está bem me faz bem.

Não tente entender, é gratuito.
Não tem um porquê.
Simplesmente me sinto bem, sabendo que está bem.

Nem eu saberia te explicar isso.
Por favor não entenda minha preocupação como chatice de quem não tem o que fazer.
Por favor não pense que queira nada além de sua amizade e sua cumplicidade.

Desculpe-me se te assusto com meus gestos,
se te incomodo com meu excesso de cuidado para contigo.
Não sei porque faço isso, não sei mesmo.

Não se preocupe em receber isso de forma gratuita.
Entendo que excesso de gratuitade nos constranja as vezes
Se quiseres, retribua de alguma forma.

Entendo seu jeito, entendo suas várias retribuições.
Seu jeito meio sem-jeito de se expressar.

Também já fui assim, hoje sou menos, mas ainda assim

Não precisa agradecer a paciência. Essa eu tenho demais.
Aguardo pacientemente que digas o que queres dizer.

Se não vai dizer nada, saiba que seu silencio é mais revelador que as palavras.
Estou aprendendo a ler seu silêncio.

Ah tantas coisas que queria te dizer se quiseres me ouvir...